segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Foco em Santiago é manter os privilégios dos "velhos parceiros"!

Senhores Vereadores, inicio meu discurso tratando da dificuldade severa a que estão submetidos os alunos do interior e que dependem do transporte escolar. Vejam que situação alarmante. Os alunos que frequentam a escola do Boqueirão estão desde agosto sem o transporte para frequentarem as aulas. Algumas crianças estão indo para a escola a pé de bicicleta ou dependendo de carona.
Onde está o Estado? E o Ministério Público, o que fez pelos alunos?
A situação é gravíssima!
Peço ao Presidente da Câmara e aos demais colegas que façamos uma comissão representativa para cobrar do Estado e das demais autoridades que detêm atribuições legais a solução imediata para o problema enfrentado pelos alunos e seus familiares.
Esta é a face governista do Sartori, que ignora os interesses da população e privilegia somente seus parceiros políticos.
Professores, lembram-se da piada que o governador fez quanto ao piso salarial? Ele cumpriu a promessa e está desmantelando o ensino público!

Não posso deixar de comentar, com pesar, que neste final de semana uma senhora foi atropelada na Rua Bento Gonçalves, nas proximidades do Mercado Bazana. Tenho aqui a cópia da proposição que fiz no dia 05 de maio, pedindo ao Prefeito que construísse na área uma faixa elevada ou instalasse um redutor de velocidade. Até agora - vejam, propus em Maio - a Prefeitura nem sequer resposta deu! A negligência culminou num atropelamento.
Este é o jeito progressista de governar, que, por exemplo, prefere doar terrenos para a Maçonaria e multar ilegalmente condutores a construir faixas e instalar redutores de velocidade! A Prefeitura prefere privilegiar seus “velhos parceiros” a se preocupar com a segurança da população!
Preciso registrar, ainda, que no dia 12 de setembro, pedi que a Prefeitura limpasse e aterrasse uma poça de lama existente entre as Ruas Tito Beccon e Rogério Francisco da Rosa.


E, neste final de semana, um senhor caiu no buraco, tendo sido necessário o atendimento dos Bombeiros para que fosse retirado.
Na propaganda, Santiago é florida e oferece segurança aos pedestres. Na prática, a prefeitura ignora a população que sofre pela falta de segurança no trânsito e pela negligência de uma Administração que somente garante os interesses dos seus parceiros.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Denúncia de abandono do Pronto Socorro e outras.

Bom dia aos vereadores desta Casa, à Vereadora, à comunidade que se faz presente no Plenário.

Não é de hoje que venho abordando a precariedade das calçadas para pedestres em Santiago. Cito o exemplo da esquina das ruas Silveira Martins e João Escobar Carpes, onde sequer há calçada para que os pedestres transitem com segurança. Naquele local, os cidadãos são obrigados a transitar na rua, dividindo o espaço com os carros.
Outro ponto que merece especial atenção é a atual situação do Pronto Socorro Municipal. Recebi uma grave denúncia a respeito das condições físicas do ambiente de recepção do pronto socorro. Segundo pude apurar, nesse final de semana, a sala de recepção do pronto socorro estava insalubre. O ambiente não tinha boa ventilação, o chão estava sujo de sangue, havia um cheiro muito forte, quase insuportável! Tomei conhecimento de que há apenas um banheiro, muito pequeno, para ser utilizado pelos pacientes e familiares que aguardam atendimento. Vejam, não há banheiros separados para homens e mulheres. São raros os dias em que disponibilizam álcool gel para higienização!

Esse é o retrato da realidade da saúde em Santiago! Sem falar, é claro, nos ESFS sem médicos, que deixam a população desamparada e à própria sorte.
A desídia e a negligência da prefeitura culmina em casos extremos, como por exemplo, o do cidadão santiaguense que faleceu à espera de internação em CTI cardiológica, mesmo com decisão judicial que lhe amparava.
Mesmo com insistentes e reiterados pedidos de melhorias, cobranças à Secretaria da Saúde, nenhum esforço pela melhoria pode ser observado por parte da Prefeitura. Já pedi, inclusive, o afastamento da Secretária da Saúde, mas o Prefeito segue ignorando as necessidades e os anseios da população.
Peço aos colegas que façam voz a essa reclamação vinda da sociedade. É preciso que a população tenha um bom atendimento à saúde, com médicos nos postos dos bairros, com boas condições de higiene no Pronto Socorro. São obrigações mínimas que são negligenciadas pelo Executivo Municipal.




Por fim, quero registrar o boicote ao discurso de temer na Assembleia Geral da ONU. No momento em que Temer foi convidado para falar, seis delegações se retiraram do plenário, em protesto contra a situação de golpe institucional em curso no Brasil.
Não bastasse esse constrangimento, Temer inventou que o Brasil já havia recebido 95 mil refugiados de 79 países, sendo desses, 85 mil haitianos. Provando a mentira, o Itamaraty divulgou que o brasil havia recebido aproximadamente 8000 refugiados.

Essa é a faceta de Michel Temer, o presidente golpista que baba hipocrisia em discurso desconexo da realidade.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

A Cidade que o Prefeito esconde!

Boa tarde a todos.

Saúdo o Senhor Alexandre da Silva Pinto Delegado Estadual da Categoria e representante do Sindicato dos Vigilantes, o Senhor José Airtom de Souza, Delegado Regional e meu amigo Amaral do Sindicato dos Bancários de nossa cidade que se fazem presente nesta sessão, e vêm nos falar da importância da aprovação do Projeto de Lei que trata da contratação de vigilantes por 24 horas nas Agências Bancárias.

Já manifestei e defendi a aprovação deste projeto, primeiro por entender que ele em momento algum fere a Constituição, como afirmam os vereadores do PP, e em segundo pela importância do Projeto ao promover a segurança da sociedade, especialmente depois das medidas tomadas pelo Governador Sartori de desleixo com a Segurança Pública. Sem contar que o PL gera importantes vagas de emprego e renda para nossa cidade, podendo beneficiar muitas famílias. O que fica claro é que, ao não acatar o Projeto, o Presidente da Comissão e da Mesa Diretora expressam os privilégios que o Poder Executivo de Santiago dá as Instituições Bancárias e Cooperativas de Crédito (que não querem ter gastos com pessoal) em detrimento da segurança do trabalhador e de todo cidadão.
Trago agora outro assunto importante e vejam só que ironia. Há mais de um mês eu venho à tribuna para questionar o Prefeito Municipal, sobre aonde está a Santiago que ele apresenta nas propagandas dos jornais, rádios e programas institucionais. Hoje não será diferente!
Recebi no gabinete a informação de que os moradores dos arredores das ruas Tito Beccon e Rogério Francisco da Rosa esperam, há mais de um ano, que a Prefeitura recolha um amontoado de lixo, lama e esgoto que se acumula na passagem dos trilhos.
Os moradores, repito, há mais de um ano, pedem à Prefeitura que seja reparado o aterro ali existente, para que o esgoto não fique exposto e seja canalizado.
Não é surpresa que situações como esta ainda sejam presenciadas na cidade. Esgoto a céu aberto? Poços de lama e esgoto, aterros precários?
Percebam que a sujeira está a poucos metros dos floridos canteiros que servem às propagandas da prefeitura!

Salta aos olhos a negligência e o desleixo da Administração Municipal a determinados bairros, o que venho há muito tempo denunciando nesta tribuna.








Ontem assisti à Mostra de Cenas de Shakespeare, produzida pelo professor Pablo Damian e executada por competente e aguerrido elenco. Quero parabenizá-los por promover em Santiago essa arte capaz de despertar os sentimentos mais intrínsecos do ser humano.
Fico intrigada com a Administração Municipal não promove qualquer tipo de apoio ao grupo e à arte, a não ser  o Santiago Encena.
Por fim, não posso deixar de lembrar que hoje será votada a cassação de Eduardo Cunha, um dos expoentes da corrupção e da má-política, e há quem planeje a sua absolvição. Há também quem diga que não fora golpe, mesmo admitindo a inexistência de crime pela Presidenta.
Este é o cenário político que se levanta no horizonte, sem qualquer perspectiva de mudança e de propósitos elevados com engajamento social e ético.  Observemos que aqui não é diferente!
A quebra da ordem pelo golpe desestabiliza a política, retirando-a de seu curso normal, abrindo espaços para os mais diferentes tipos de violência.
Valendo-me da inspiração e brilhantismo de Shakespeare, cujas obras revelam que a política e a vida são esferas inseparáveis, cito trecho de Hamlet, que me parece oportuna:

“Vivo na lua, insensível à minha própria causa, / E não sei fazer nada, mesmo por um rei / Cuja propriedade e vida tão preciosa / Foram arrancadas numa conspiração maldita. / Sou então um covarde? Quem me chama canalha? / Me arrebenta a cabeça, me puxa pelo nariz, / E me enfia a mentira pela goela até o fundo dos pulmões?”

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Discurso: Trabalho Escravo, Precariedade na Incubadora Industrial e Projeto dos Vigilantes.

Boa tarde aos vereadores desta Casa, à Vereadora, à comunidade que se faz presente no Plenário.
Agradeço ao Vereador Gildo e ao Vereador Nelson a homenagem recebida e peço licença para dedicar à minha filha e meu genro as felicitações, uma vez que são eles quem se dedicam e trabalham na melhoria da genética da Cabanha Forqueta.

Hoje o assunto que me traz à tribuna é gravíssimo! Ouçam senhores, Santiago tem casos de escravidão! E o crime é cometido sob os olhos da Prefeitura Municipal.
Recebi, na semana passada, uma denúncia relacionada ao ambiente de trabalho no qual estão submetidos os trabalhadores que exercem suas atividades na chamada “incubadora industrial”.
Segundo os relatos, a estrutura é precária! O telhado do prédio público está esburacado, as instalações são deficientes, Chove dentro o prédio. Não bastasse o sucateamento do prédio, os trabalhadores são submetidos a jornadas de trabalho desumanas, e esta condição deve ser levada ao conhecimento da Prefeitura. Há casos em que os funcionários são privados até mesmo da alimentação!
É impositivo que a Prefeitura Municipal tome alguma providencia, na medida em o tão propagandeado empreendedorismo e estímulo a produção industrial não pode ser avalizado pelo Poder Público às custas do trabalho escravo.
Para piorar, também recebi a informação de que os trabalhadores foram confinados e coagidos a ouvirem um determinado candidato local, sob a ameaça de demissão e retaliação!
A realidade é gravíssima e tomarei medidas para que, tanto a população quanto as autoridades tomem conhecimento de que em Santiago, num prédio público, há situação de escravidão!
Rogo aos colegas que também investiguem, denunciem esta situação. O trabalhador deve ser respeitado e ter suas condições de trabalho dignas!
A Prefeitura Municipal deve ser notificada para que apure os crimes ora noticiados. Não é possível que se vanglorie de ter investido na indústria, enquanto ocorrem crimes graves justamente no local destinado à fomentação da produção de emprego!
Não posso deixar de observar, ainda, que o modo de governar do PP está ainda mais evidente nesse período. O centro está florido, os canteiros que rodeiam a praça e a prefeitura estão limpos e decorados! Mas volto os olhos aos bairros! Estes, senhores, estão esquecidos!
Enquanto o centro cultiva as flores, os bairros ainda suportam ruas embarradas, falta de saneamento básico, iluminação e transporte público!


Por fim, devo destacar que o projeto dos vigilantes, de autoria do colega Marion está congelado pela mesa diretora e pelo Presidente da Comissão de Constituição, Redação e Justiça, embora os pareceres estejam prontos e o projeto apto para ir à votação!
Nesse ponto, registro que, conforme prova a reportagem de hoje no jornal Correio do Povo, a cidade de Canoas aprovou, no dia 30 de agosto, um projeto idêntico! Ressalto que naquela cidade, o prefeito explica que o projeto traz procedimentos e regras que devem ser adotados visando aumentar a sensação de segurança nesses locais. Ainda de acordo com ele, a nova lei representa a contratação de cerca de 200 vigilantes que ficarão incumbidos de zelar pelos postos bancários a cidade de Canoas. Pergunto se somente em Santiago o projeto será considerado inconstitucional e não será levado em conta a segurança da população, bem como o aumento de postos de trabalho.
Esta é a hora de avaliar e examinar qual a prioridade da Administração Pública!

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Iara fala do abandono dos bairros periféricos. Esquecidos só passam a existir em período eleitoral!

Boa tarde aos vereadores desta Casa, à Vereadora, à comunidade que se faz presente no Plenário.

Eu tenho usado, e seguirei usando, está Tribuna, não apenas quando as sessões são transmitidas, faço isso, porque a atividade de Vereador é constante e não pára em período eleitoral.
Hoje, venho à Tribuna, mais uma vez, para denunciar o descaso e a negligência da Administração frente aos interesses das famílias que residem afastadas do centro da cidade.
Nos bairros Eletricitários e Atalaia a situação que presenciei naqueles locais é de total abandono. Lá não se vislumbram as maravilhosas condições da cidade que aparecem nas rádios e jornais a título de propagandear a gestão do PP. Os moradores do Bairro Atalaia vivem uma condição muito preocupante. Existe apenas uma via de acesso ao local que, ainda, é ligada por uma estreita e precária ponte de madeira. Quando chove, a passagem fica perigosa e, às vezes, intransponível. Os dutos que levam água potável ao bairro também estão interligados com a ponte que está em péssimas condições.
Conversei com algumas das cerca de 35 famílias que lá residem e fui informada de que já houve doação da área para abertura de uma nova via de entrada e saída e, inclusive, há demarcação com estacas, mas que a atitude do Prefeito não passou de simples promessa. Também existe apenas uma linha de ônibus que vai até o bairro, mas é em um único horário, às 13 horas, e vejam, Srs. Vereadores, não há linha de retorno. Portanto, os moradores têm acesso ao transporte público somente às 13 horas para virem à cidade. E nos demais horários? E a volta? Precisam caminhar por quilômetros até a parada mais perto ou depender de outra forma de transporte.
Há que se falar, ainda, da inexistência de tubulação de escoamento de esgoto cloacal e pluvial o que põe em risco a saúde dos moradores. Segundo relato de uma moradora, o “Projeto Cidade Ativa” esteve uma vez no bairro, tendo apenas alguns metros de tubulação implantada e nunca mais foram ao local e o bairro voltou ao esquecimento.
É preciso que a Administração volte os olhos àquela comunidade que está esquecida!
Peço aos vereadores, todos os que são da base aliada do Prefeito e sua administração que façam eco às minhas reivindicações e lutem pela melhoria de vida dos moradores dos Bairros Atalaia e Eletricitários!
Não é possível que centenas de famílias sejam negligenciadas, esquecidas pelo Poder Público pelo fato de residirem em áreas afastadas e não no centro florido da cidade!

Por último quero referir o meu orgulho de estar ao lado da Presidenta Dilma, neste momento difícil em que está sendo urdido um Golpe na Democracia de nosso País. Seja qual for o resultado dessa trama, Dilma entrará para a história como uma grande Mulher, defensoras das lutas democráticas do Brasil.